Bolívia: Democracia e Revolução - a Comuna de La Paz de 1971

Bolívia: Democracia e Revolução - a Comuna de La Paz de 1971

Bolívia: Democracia e Revolução - a Comuna de La Paz de 1971

  • EditoraALAMEDA
  • Modelo: 9V90425
  • Disponibilidade: Em estoque
  • R$ 51,00

    R$ 60,00
Em 1964 um golpe apoiado pelos EUA leva os militares ao poder na Bolívia. O movimento não tarda a perseguir lideranças populares, demitir trabalhadores, rebaixar salários e perpetrar massacres. Sob o governo do general René Barrientos, em 1967, Che Guevara é capturado e executado.
Um acidente aéreo mata Barrientos em abril de 1969. Em setembro, outro golpe leva à presidência o general Alfredo Ovando Candia, que inicia uma distensão, permitindo a rápida reorganização do movimento operário. Em 1970, o militar nacionalista Juan José Torres toma o poder, acelerando a abertura política e a mobilização dos trabalhadores.
A Bolívia conhece, então, uma das mais profundas experiências de democracia direta do século XX, a Assembleia Popular. Durante alguns meses de 1971, sindicalistas operários e camponeses, estudantes e militantes de esquerda debatem novas formas de organização e de intervenção na sociedade. Comunistas, trotskistas, maoístas e nacionalistas deliberam sobre controle operário da produção, formas de representação popular e modos de proteger o novo poder em gestação, entre muitos outros temas.
Torres recusa-se a armar os revolucionários, que tentam resistir, mas são vencidos pelo golpe do coronel Hugo Bánzer, apoiado pelos governos do Brasil e dos EUA.
Não é por acaso que pouco conhecemos esta história no Brasil. A rigor, ela nem precisou ser apagada da nossa memória, pois a censura direta ou indireta tratou de manter essa experiência radical distante da nossa vida política. Para além disto, até os anos 1990, pouco se estudava no Brasil sobre a Bolívia.
O livro de Everaldo de Oliveira Andrade tem justamente essa força, a de revelar não só o dia-a-dia e os documentos produzidos no calor da hora pelas forças que disputavam a liderança da Assembleia, como também a história que permitiu o surgimento dessa experiência pioneira na América Latina, que buscou nos sovietes russos e na Comuna de Paris as referências para construir um poder popular.
Características
Ano de publicação 2011
Autor EVERALDO DE OLIVEIRA ANDRADE
Biografia Em 1964 um golpe apoiado pelos EUA leva os militares ao poder na Bolívia. O movimento não tarda a perseguir lideranças populares, demitir trabalhadores, rebaixar salários e perpetrar massacres. Sob o governo do general René Barrientos, em 1967, Che Guevara é capturado e executado.
Um acidente aéreo mata Barrientos em abril de 1969. Em setembro, outro golpe leva à presidência o general Alfredo Ovando Candia, que inicia uma distensão, permitindo a rápida reorganização do movimento operário. Em 1970, o militar nacionalista Juan José Torres toma o poder, acelerando a abertura política e a mobilização dos trabalhadores.
A Bolívia conhece, então, uma das mais profundas experiências de democracia direta do século XX, a Assembleia Popular. Durante alguns meses de 1971, sindicalistas operários e camponeses, estudantes e militantes de esquerda debatem novas formas de organização e de intervenção na sociedade. Comunistas, trotskistas, maoístas e nacionalistas deliberam sobre controle operário da produção, formas de representação popular e modos de proteger o novo poder em gestação, entre muitos outros temas.
Torres recusa-se a armar os revolucionários, que tentam resistir, mas são vencidos pelo golpe do coronel Hugo Bánzer, apoiado pelos governos do Brasil e dos EUA.
Não é por acaso que pouco conhecemos esta história no Brasil. A rigor, ela nem precisou ser apagada da nossa memória, pois a censura direta ou indireta tratou de manter essa experiência radical distante da nossa vida política. Para além disto, até os anos 1990, pouco se estudava no Brasil sobre a Bolívia.
O livro de Everaldo de Oliveira Andrade tem justamente essa força, a de revelar não só o dia-a-dia e os documentos produzidos no calor da hora pelas forças que disputavam a liderança da Assembleia, como também a história que permitiu o surgimento dessa experiência pioneira na América Latina, que buscou nos sovietes russos e na Comuna de Paris as referências para construir um poder popular.
Edição 1
Editora ALAMEDA
ISBN 9788579390425
Páginas 340

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.