A FIGURA DE ORSON WELLES NO CINEMA DE ROGERIO SGANZERLA

A FIGURA DE ORSON WELLES NO CINEMA DE ROGERIO SGANZERLA

A FIGURA DE ORSON WELLES NO CINEMA DE ROGERIO SGANZERLA

  • EditoraALAMEDA
  • Modelo: 9V93631
  • Disponibilidade: Em estoque
  • R$ 64,60

    R$ 76,00
O diretor norte-americano Orson Welles e seus filmes atravessam toda a trajetória de Rogério Sganzerla, atingindo especial densidade nos filmes que o cineasta brasileiro dedica a It’s all true, o projeto que trouxe Welles para filmar no Brasil em 1942 e que nunca viria a ser finalizado por ele. Como compreender a recorrência e a centralidade de Welles na obra de Sganzerla? É este o enigma ao qual Samuel Paiva se lança neste livro, em estimulantes percursos de leitura que se fundamentam na noção de “figura”, assim como definida por Erich Auerbach, para investigar as dimensões alegóricas que Welles alcança nas criações de Sganzerla. Acionando outros interlocutores como Paulo Emilio Salles Gomes com sua reflexão sobre a dialética entre ocupado e ocupante, Samuel Paiva analisa a apropriação de Welles por Sganzerla como uma construção poética que recorre ao outro, ao estrangeiro, para melhor compreender a história e a criação cinematográfica no Brasil. Além de analisar a tetralogia formada por Nem tudo é verdade (1986), Linguagem de Orson Welles (1991), Tudo é Brasil (1997) e O signo do caos (2003), o livro amplia seu objeto de estudo e sabiamente examina também a importante produção crítica de Sganzerla.
Características
Ano de publicação 2018
Autor SAMUEL PAIVA
Biografia O diretor norte-americano Orson Welles e seus filmes atravessam toda a trajetória de Rogério Sganzerla, atingindo especial densidade nos filmes que o cineasta brasileiro dedica a It’s all true, o projeto que trouxe Welles para filmar no Brasil em 1942 e que nunca viria a ser finalizado por ele. Como compreender a recorrência e a centralidade de Welles na obra de Sganzerla? É este o enigma ao qual Samuel Paiva se lança neste livro, em estimulantes percursos de leitura que se fundamentam na noção de “figura”, assim como definida por Erich Auerbach, para investigar as dimensões alegóricas que Welles alcança nas criações de Sganzerla. Acionando outros interlocutores como Paulo Emilio Salles Gomes com sua reflexão sobre a dialética entre ocupado e ocupante, Samuel Paiva analisa a apropriação de Welles por Sganzerla como uma construção poética que recorre ao outro, ao estrangeiro, para melhor compreender a história e a criação cinematográfica no Brasil. Além de analisar a tetralogia formada por Nem tudo é verdade (1986), Linguagem de Orson Welles (1991), Tudo é Brasil (1997) e O signo do caos (2003), o livro amplia seu objeto de estudo e sabiamente examina também a importante produção crítica de Sganzerla.
Editora ALAMEDA
ISBN 9788579393631
Páginas 400

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.