Aporofobia, a aversão ao pobre: Um desafio para a democracia

Aporofobia, a aversão ao pobre: Um desafio para a democracia

Aporofobia, a aversão ao pobre: Um desafio para a democracia

  • R$ 42,50

    R$ 50,00
A EDITORA CONTRACORRENTE tem a satisfação de oferecer ao público brasileiro a tradução de "Aporofobia, a aversão ao pobre: um desafio para a democracia", de autoria de Adela Cortina, uma das mais destacadas filósofas da atualidade.
"Aporofobia", o neologismo que dá nome ao medo, rejeição ou aversão aos pobres, foi escolhido como a palavra do ano 2017 pela Fundación del Español Urgente (Fundéu) e incorporado ao Diccionario de la lengua española no mesmo ano.
Segunda a autora, aqueles que produzem verdadeira fobia são os pobres. Os estrangeiros com dinheiro não produzem rejeição. Ao contrário, espera-se que tragam recursos e são recebidos com entusiasmo. Aqueles que inspiram desprezo são os pobres, aqueles que parecem não poder oferecer nada de bom, sejam eles migrantes ou refugiados políticos. E, no entanto, não há nome para essa realidade social inegável. Diante de tal situação, Adela Cortina procurou no léxico grego a palavra "aporos", que significa pobre, e cunhou o termo ""aporofobia"". Além de definir e contextualizar o termo, ela explica a predisposição que todos nós temos para esta fobia e propõe formas de superá-la através da educação, da eliminação das desigualdades econômicas, da promoção de uma democracia que leva a igualdade a sério e da promoção de uma hospitalidade cosmopolita.
Com prefácio de Jessé Souza, o livro é de leitura obrigatória não somente para conhecer o termo "aporofobia", mas também para compreender melhor esse fenômeno que marca a sociedade brasileira.
Características
Ano de publicação 2020
Autor Adela Cortina
Biografia A EDITORA CONTRACORRENTE tem a satisfação de oferecer ao público brasileiro a tradução de "Aporofobia, a aversão ao pobre: um desafio para a democracia", de autoria de Adela Cortina, uma das mais destacadas filósofas da atualidade.
"Aporofobia", o neologismo que dá nome ao medo, rejeição ou aversão aos pobres, foi escolhido como a palavra do ano 2017 pela Fundación del Español Urgente (Fundéu) e incorporado ao Diccionario de la lengua española no mesmo ano.
Segunda a autora, aqueles que produzem verdadeira fobia são os pobres. Os estrangeiros com dinheiro não produzem rejeição. Ao contrário, espera-se que tragam recursos e são recebidos com entusiasmo. Aqueles que inspiram desprezo são os pobres, aqueles que parecem não poder oferecer nada de bom, sejam eles migrantes ou refugiados políticos. E, no entanto, não há nome para essa realidade social inegável. Diante de tal situação, Adela Cortina procurou no léxico grego a palavra "aporos", que significa pobre, e cunhou o termo ""aporofobia"". Além de definir e contextualizar o termo, ela explica a predisposição que todos nós temos para esta fobia e propõe formas de superá-la através da educação, da eliminação das desigualdades econômicas, da promoção de uma democracia que leva a igualdade a sério e da promoção de uma hospitalidade cosmopolita.
Com prefácio de Jessé Souza, o livro é de leitura obrigatória não somente para conhecer o termo "aporofobia", mas também para compreender melhor esse fenômeno que marca a sociedade brasileira.
Edição 1
Editora CONTRACORRENTE
ISBN 9786588470084
Páginas 200

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.