Bancos e finanças na formação do capitalismo brasileiro 1890-1914

Bancos e finanças na formação do capitalismo brasileiro 1890-1914

Bancos e finanças na formação do capitalismo brasileiro 1890-1914

  • EditoraALAMEDA
  • Modelo: 9V95987
  • Disponibilidade: Em estoque
  • R$ 41,28

    R$ 48,00
O presente trabalho examina as relações entre as finanças internacionais e os bancos nacionais no Brasil durante a passagem do século XIX ao XX.

Toma-se como ponto de partida as mudanças no sistema monetário internacional, com a hegemonia financeira britânica, e as transformações no sistema interestatal, com a ascensão comercial norte-americana, a fim de se analisar a dependência financeira do Brasil.

Desse modo, busca-se verificar as possibilidades econômicas e os obstáculos históricos que impediram a criação de um sistema bancário nacional e de um mercado de capitais brasileiro nesse período, para tanto, avaliam-se as reformas monetárias e as políticas creditícias desde a reforma bancária de 1890 até o funding loan de 1914.

Além disso, observam-se as trajetórias, paralelas e complementares, dos sistemas bancários locais no Rio de Janeiro e em São Paulo para que se possam explicitar as combinações entre as estratégias do Estado e os interesses dos bancos no país.

Ao final, estabelecem-se as conexões entre o capitalismo financeiro e monopolista na esfera internacional e o capitalismo rentista e privatista no plano nacional.

A espinha dorsal que atravessa o texto tem como ponto de partida a constatação de que a moeda não é apenas um bem público a serviço da facilitação das trocas, mas é sobretudo um bem privado a serviço da articulação entre os donos do poder e os donos do dinheiro, entre a acumulação de poder e a acumulação de capital.

No caso brasileiro, a formação tardia dos bancos e das finanças, entre 1890 e 1914, abriu caminhos para a construção de um proto-sistema de crédito baseado em relações intrincadas entre o Estado e as famílias abastadas, em um ambiente político e econômico marcado, de nascença, pelo rentismo e pelo privatismo, ambos contribuindo para a substituição de um projeto nacional de longo-prazo por uma coleção de negócios particulares orientados para ganhos de curto-prazo, um problema estrutural presente na economia e na política brasileiras até a atualidade.
Características
Ano de publicação 2019
Autor William Nozaki
Biografia O presente trabalho examina as relações entre as finanças internacionais e os bancos nacionais no Brasil durante a passagem do século XIX ao XX.

Toma-se como ponto de partida as mudanças no sistema monetário internacional, com a hegemonia financeira britânica, e as transformações no sistema interestatal, com a ascensão comercial norte-americana, a fim de se analisar a dependência financeira do Brasil.

Desse modo, busca-se verificar as possibilidades econômicas e os obstáculos históricos que impediram a criação de um sistema bancário nacional e de um mercado de capitais brasileiro nesse período, para tanto, avaliam-se as reformas monetárias e as políticas creditícias desde a reforma bancária de 1890 até o funding loan de 1914.

Além disso, observam-se as trajetórias, paralelas e complementares, dos sistemas bancários locais no Rio de Janeiro e em São Paulo para que se possam explicitar as combinações entre as estratégias do Estado e os interesses dos bancos no país.

Ao final, estabelecem-se as conexões entre o capitalismo financeiro e monopolista na esfera internacional e o capitalismo rentista e privatista no plano nacional.

A espinha dorsal que atravessa o texto tem como ponto de partida a constatação de que a moeda não é apenas um bem público a serviço da facilitação das trocas, mas é sobretudo um bem privado a serviço da articulação entre os donos do poder e os donos do dinheiro, entre a acumulação de poder e a acumulação de capital.

No caso brasileiro, a formação tardia dos bancos e das finanças, entre 1890 e 1914, abriu caminhos para a construção de um proto-sistema de crédito baseado em relações intrincadas entre o Estado e as famílias abastadas, em um ambiente político e econômico marcado, de nascença, pelo rentismo e pelo privatismo, ambos contribuindo para a substituição de um projeto nacional de longo-prazo por uma coleção de negócios particulares orientados para ganhos de curto-prazo, um problema estrutural presente na economia e na política brasileiras até a atualidade.
Edição 1
Editora ALAMEDA
ISBN 9788579395987
Páginas 264

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.