Comendo como gente: Formas do canibalismo wari'(Pakaa Nova) - Comendo como gente: Formas do canibalismo wari'(Pakaa Nova)

Comendo como gente: Formas do canibalismo wari'(Pakaa Nova) -  Comendo como gente: Formas do canibalismo wari'(Pakaa Nova)

Comendo como gente: Formas do canibalismo wari'(Pakaa Nova) - Comendo como gente: Formas do canibalismo wari'(Pakaa Nova)

  • EditoraMAUAD X
  • Modelo: 0189132
  • Disponibilidade: Em estoque
  • R$ 61,20

    R$ 72,00
Tudo parece se resumir a comer, mas seria esquecer as muitas especificações. Comer com quem? Comer o quê? Comer cru ou comer assado, e até eventualmente apodrecido? Comer com que modos?
Comer com alguém é modo de criar parentesco. Comer caça ou inimigo é coisa de predador humano. Comer assado e com pamonha é comer como gente, diferente de comer cru, coisa de onça. E se matar, não pode comer. Comer com palitinhos é diferente também, é coisa ritual. E comer o morto dos cunhados é obrigação, serviço fúnebre e ato de piedade.

Aparecida Vilaça descreve com tranquilidade e frescor uma gente que podemos entender, gente alegre e com grande senso de humor. Tanto para antropólogos quanto para os Wari' de hoje, este livro continua da maior importância. Dá testemunho de uma época de transição, em que massacres e guerras, abolidos, ainda estavam presentes na memória dos vivos. Somando-se os trinta anos do início da sua pesquisa de campo a outros trinta pelo menos de memória dos Wari', temos uma crônica preciosa de um passado recente mas infinitamente outro. O mundo Wari' mudou. (fragmento do texto da orelha por Manuela Carneiro da Cunha)

Características
Ano de publicação 2017
Autor Aparecida Vilaça
Biografia Tudo parece se resumir a comer, mas seria esquecer as muitas especificações. Comer com quem? Comer o quê? Comer cru ou comer assado, e até eventualmente apodrecido? Comer com que modos?
Comer com alguém é modo de criar parentesco. Comer caça ou inimigo é coisa de predador humano. Comer assado e com pamonha é comer como gente, diferente de comer cru, coisa de onça. E se matar, não pode comer. Comer com palitinhos é diferente também, é coisa ritual. E comer o morto dos cunhados é obrigação, serviço fúnebre e ato de piedade.

Aparecida Vilaça descreve com tranquilidade e frescor uma gente que podemos entender, gente alegre e com grande senso de humor. Tanto para antropólogos quanto para os Wari' de hoje, este livro continua da maior importância. Dá testemunho de uma época de transição, em que massacres e guerras, abolidos, ainda estavam presentes na memória dos vivos. Somando-se os trinta anos do início da sua pesquisa de campo a outros trinta pelo menos de memória dos Wari', temos uma crônica preciosa de um passado recente mas infinitamente outro. O mundo Wari' mudou. (fragmento do texto da orelha por Manuela Carneiro da Cunha)

Edição 2
Editora MAUAD X
ISBN 9788574789132
Páginas 336

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.