Entre Orfeu e Xangô

Entre Orfeu e Xangô

Entre Orfeu e Xangô

  • EditoraPALLAS
  • Modelo: 61-0120
  • Disponibilidade: Em estoque
  • R$ 38,40

    R$ 48,00
“Envolvente” é, no mínimo, um dos adjetivos que ocorrem a quem se dispõe a ler Entre Orfeu e Xangô, de José Jorge Siqueira. É um juízo que se pauta pelo máximo, em especial quando se tem em conta a aridez das teses acadêmicas. Mais: envolvente e original. O autor desenvolve a hipótese de que o período entre 1944 e 1968 no Brasil foi palco de “intenso movimento de idéias, debates e ações no sentido de repensar-se antigas tradições de estudos, formas de representação e ideologias sociais, relativas ao lugar ocupado pelos preconceitos e discriminações que se abateram sobre o contingente negro/mulato da população brasileira, configuradores da então chamada democracia racial.” Para José Jorge, é dessa movimentação cultural complexa que emerge, em níveis diversos (tanto políticos quanto artísticos e acadêmicos), um novo tipo de consciência sobre os impasses étnicos do país, ensejando críticas sérias à mitologia da democracia racial. Trabalhando criticamente, ao mesmo tempo, a produção de conhecimento específico nas esferas teóricas e no campo da luta social, ele expõe o arcabouço do pensamento coletivo em que se corporifica a nova consciência. Muniz Sodré
Características
Autor JOSE JORGE SIQUEIRA
Biografia “Envolvente” é, no mínimo, um dos adjetivos que ocorrem a quem se dispõe a ler Entre Orfeu e Xangô, de José Jorge Siqueira. É um juízo que se pauta pelo máximo, em especial quando se tem em conta a aridez das teses acadêmicas. Mais: envolvente e original. O autor desenvolve a hipótese de que o período entre 1944 e 1968 no Brasil foi palco de “intenso movimento de idéias, debates e ações no sentido de repensar-se antigas tradições de estudos, formas de representação e ideologias sociais, relativas ao lugar ocupado pelos preconceitos e discriminações que se abateram sobre o contingente negro/mulato da população brasileira, configuradores da então chamada democracia racial.” Para José Jorge, é dessa movimentação cultural complexa que emerge, em níveis diversos (tanto políticos quanto artísticos e acadêmicos), um novo tipo de consciência sobre os impasses étnicos do país, ensejando críticas sérias à mitologia da democracia racial. Trabalhando criticamente, ao mesmo tempo, a produção de conhecimento específico nas esferas teóricas e no campo da luta social, ele expõe o arcabouço do pensamento coletivo em que se corporifica a nova consciência. Muniz Sodré
Editora PALLAS
ISBN 9788534703932
Páginas 256

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.