Veja nossas notícias e saiba de todas as novidades.
Olá, visitante. Acesse sua conta ou cadastre-se.
Presidente Que Sabia Javanês,o

Presidente Que Sabia Javanês,o

Em Estoque
 
R$39,00 R$36,30
Modelo: Impresso
Edição: 0
Ano de publicação: 0
Número de páginas: 200
ISBN: 9788585934675
Editora: BOITEMPO
Sinopse Autor Comentários (0)
O presidente que sabia javanês reúne crônicas de Carlos Heitor Cony e charges de Angeli publicadas na Folha de S.Paulo entre 1994 e 2000, enfocando o governo de Fernando Henrique Cardoso. É um retrato lúcido e cáustico desse período de rápidas mudanças em que o país caiu em definitivo nas malhas da globalização e, segundo Cony, regrediu ao estágio de colônia. Sem se prender a nenhum compromisso com pessoas ou grupos, Cony e Angeli partem do momento em que FHC é nomeado ministro da Fazenda pelo então presidente Itamar Franco, passando pelo lançamento do Plano Real e pela sua primeira eleição, tropeçando na reeleição e chegando até o mal-resolvido caso Eduardo Jorge. Graças à destreza da captura dos fatos pelos autores, o leitor tem um retrato em cores vivas e ácidas do que foi a Era FHC. Cony disseca a personalidade política do ex-presidente, que sempre dizia e pregava o óbvio. Segundo Cony, FHC lembra aquele homem que sabia javanês do conto de Lima Barreto - daí a razão do título do livro. A história é a seguinte: precisavam de alguém que soubesse javanês; o cidadão apresentou-se e foi aceito. Como ninguém sabia javanês (inclusive ele), o tal cidadão ganhou fama e espaço na mídia. A única diferença entre Fernando Henrique Cardoso e o personagem do conto é que o homem que sabia javanês sabia que não sabia javanês. Já FHC acredita que sabe. Angeli, por sua vez, é incisivo e vai direto ao ponto em suas charges, sem qualquer subterfúgios. Seu trabalho é duro, irônico e corrosivo. Desnuda o poder e aqueles que o detém. Angeli mostra com sagacidade que, para muitos, a política é mero instrumento para manter-se no poder. Os trabalhos extremamente críticos dos dois autores foram concebidos separadamente, mas com pressupostos bastante semelhantes. Em conjunto, estampam diariamente a página 2 da Folha de S. Paulo, onde escancaram a realidade como é de fato, sem amenidades ou delicadezas. O melhor dos dois é o que pode ser encontrado nesse O presidente que sabia javanês. Sobre os autores Arnaldo Angeli Filho nasceu em São Paulo, em 1956, e desde 1973 publica seus trabalhos na Folha de S.Paulo. É autor da revista Chiclete com banana e dos livros República vou ver! (1983), Rê Bordosa, a morte da porraloca (1987) e FHC, biografia não-autorizada (1995), entre outros. Carlos Heitor Cony nasceu no Rio de Janeiro, em 1926. É membro da Academia Brasileira de Letras, cronista da Folha de S.Paulo e autor de vários romances, entre eles O ventre (1958), Quem matou Vargas (1974), Quase memória (1995) e Romance sem palavras (1999).
Livros
Autor CARLOS HEITOR CONY/ANGELI

Fazer um comentário

Seu Nome:


Seu Comentário: Obs: Não há suporte para o uso de tags HTML.

Avaliação: Ruim            Bom

Digite o código da imagem:



Tags:

Logotipos de meios de pagamento do PagSeguro
Desenvolvimento
Murillo Camargo & Doble
MauadX © 2012 - Todos os direitos reservados
Avaliação de Lojas e-bit