Devotos e Devassos: Representação dos padres e beatas na literatura anticlerical brasileira

Devotos e Devassos: Representação dos padres e beatas na literatura anticlerical brasileira

Devotos e Devassos: Representação dos padres e beatas na literatura anticlerical brasileira

  • EditoraEDUSP
  • Modelo: 7714527
  • Disponibilidade: Em estoque
  • R$ 66,93

    R$ 69,00
Cristian Santos analisa a produção literária brasileira da segunda metade do século XIX, delimitando a corrente estética do naturalismo, e se detém sobre a questão anticlerical em três obras de ficção: O Mulato, O Homem, ambos de Aluísio Azevedo, e Morbus: Romance Patológico, de Faria Neves Sobrinho. Traça um panorama da representação de personagens religiosos nesses romances, possibilitando investigar como as novas formas de crítica ao clero e à religião em geral desenrolaram-se na ficção oitocentista, apontando um anticlericalismo firmado em novas teorias filosóficas e médicas, nas quais a Igreja católica passa a ser encarada como realidade retrógrada e inconciliável com a modernidade. Destaca a importância do corpo como realidade absoluta e finita para o entendimento do anticlericalismo, e adota em sua análise o pensamento de Foucault, profícuo para o entendimento da associação entre corpo e discursos de poder que se entrelaçam, digladiando-se e partilhando impressões.
Características
Ano de publicação 2014
Autor CRISTIAN SANTOS
Biografia Cristian Santos analisa a produção literária brasileira da segunda metade do século XIX, delimitando a corrente estética do naturalismo, e se detém sobre a questão anticlerical em três obras de ficção: O Mulato, O Homem, ambos de Aluísio Azevedo, e Morbus: Romance Patológico, de Faria Neves Sobrinho. Traça um panorama da representação de personagens religiosos nesses romances, possibilitando investigar como as novas formas de crítica ao clero e à religião em geral desenrolaram-se na ficção oitocentista, apontando um anticlericalismo firmado em novas teorias filosóficas e médicas, nas quais a Igreja católica passa a ser encarada como realidade retrógrada e inconciliável com a modernidade. Destaca a importância do corpo como realidade absoluta e finita para o entendimento do anticlericalismo, e adota em sua análise o pensamento de Foucault, profícuo para o entendimento da associação entre corpo e discursos de poder que se entrelaçam, digladiando-se e partilhando impressões.
Edição 1
Editora EDUSP
ISBN 9788531414527
Páginas 416

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.