Derradeira Gesta, A: Lampião e Nazarenos Guerreando no Sertão (3ª. edição, revista e ampliada)

Derradeira Gesta, A: Lampião e Nazarenos Guerreando no Sertão (3ª. edição, revista e ampliada)

Derradeira Gesta, A: Lampião e Nazarenos Guerreando no Sertão (3ª. edição, revista e ampliada)

  • MarcaMAUAD X
  • Modelo: 01-0091
  • Disponibilidade: Em estoque
  • R$ 63,79

    R$ 65,76
"A história que analiso se desenvolve entre grupos que não buscaram na migração uma mudança social. Pelo contrário, pelo menos no que toca aos Nazarenos, transformaram a sobrevivência de uma vila-Nazaré, bem como a preservação de suas famílias e de seu modo de vida, numa questão de honra, em defesa da qual se bateram contra Lampião e todo o cangaço, durante 19 anos. Lampião, por sua vez, mesmo instado pelo Padre Cícero, recusou-se a seguir o exemplo de seu antigo chefe Sinhô Pereira, que se mudou para Goiás e depois para Minas Gerais, sobrevivendo até a década de 1970. Lampião fica no cangaço até a morte em julho de 1938, numa grota do sertão de Sergipe, do outro lado do rio São Francisco, em frente à cidade de Piranhas, Estado de Alagoas. (...) O sertão que estudo, o recorte temporal em que Ferreiras e Nazarenos se confrontam na geografia de sete Estados do Nordeste aparecem neste trabalho como uma tentativa de focalizar, mais de trezentos anos depois do intencional dos colonizadores, um momento, uma conjuntura do processo de constituição da sociedade brasileira, através do destaque dado à história de como aqueles grupos viveram seu possível histórico no novo projeto de nação - a República, nas cinco primeiras décadas de sua implantação." Luitgarde Oliveira Cavalcanti Barros
Características
Ano de publicação 2018
Autor Luitgarde Oliveira Cavalcanti Barros
Biografia "A história que analiso se desenvolve entre grupos que não buscaram na migração uma mudança social. Pelo contrário, pelo menos no que toca aos Nazarenos, transformaram a sobrevivência de uma vila-Nazaré, bem como a preservação de suas famílias e de seu modo de vida, numa questão de honra, em defesa da qual se bateram contra Lampião e todo o cangaço, durante 19 anos. Lampião, por sua vez, mesmo instado pelo Padre Cícero, recusou-se a seguir o exemplo de seu antigo chefe Sinhô Pereira, que se mudou para Goiás e depois para Minas Gerais, sobrevivendo até a década de 1970. Lampião fica no cangaço até a morte em julho de 1938, numa grota do sertão de Sergipe, do outro lado do rio São Francisco, em frente à cidade de Piranhas, Estado de Alagoas. (...) O sertão que estudo, o recorte temporal em que Ferreiras e Nazarenos se confrontam na geografia de sete Estados do Nordeste aparecem neste trabalho como uma tentativa de focalizar, mais de trezentos anos depois do intencional dos colonizadores, um momento, uma conjuntura do processo de constituição da sociedade brasileira, através do destaque dado à história de como aqueles grupos viveram seu possível histórico no novo projeto de nação - a República, nas cinco primeiras décadas de sua implantação." Luitgarde Oliveira Cavalcanti Barros
Edição 3
Editora MAUAD X
ISBN 9788574782355
Páginas 280

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.