Mulheres dos outros: Os viajantes cristãos nas terras a oriente séculos XIII a XV

Mulheres dos outros: Os viajantes cristãos nas terras a oriente séculos XIII a XV

Mulheres dos outros: Os viajantes cristãos nas terras a oriente séculos XIII a XV

  • EditoraUNESP
  • Modelo: 7405919
  • Disponibilidade: Em estoque
  • R$ 58,08

    R$ 66,00
Esta obra analisa uma imensa quantidade de relatos de viajantes cristãos dos séculos XIII ao XV sobre as mulheres de outras culturas, especialmente da China, Mongólia e Índia, e traça uma linha que dá significado ao modo como eles as viram e a seus costumes. A autora observa que, embora tenham lançado para as estrangeiras um olhar apenas “enviesado”, sem as pretensões dos letrados de moldá-las aos ditames da cultura ocidental, aqueles homens só puderam vê-las a partir de um mesmo referencial, o da fé cristã, e comparando-as às conterrâneas: “Essas pinceladas [...] dizem certamente menos sobre as mulheres dos outros do que sobre as conhecidas e modelares dos próprios viajantes, [...] dizem mais sobre o que os viajantes projetavam para suas mulheres ou conheciam como próprio delas do que sobre os hábitos, costumes e feições das mulheres de lá”.

A obra analisa o que odiscurso dos homens cristãos revela acerca deles próprios e de sua civilização quando tratou dasmulheres de lugares remotos. A autora pergunta: “Que valores e questões fundamentais convergem para que os viajantes definam suas impressões sobreas terras a oriente e as mulheres de lá?”. Por formarem um conjunto discursivo “privilegiado”, uma narrativa dos valores partilhados e fórmulas bem aceitas no fim da Idade Média, os relatos diriam muito sobre tais indagações. E teriam contribuído inclusive para reafirmar a verdade cristã sobre o ser humano, a qual não se acreditava pontual, mas eterna.
Características
Ano de publicação 2015
Autor SUSANI SILVEIRA LEMOS FRANÇA
Biografia Esta obra analisa uma imensa quantidade de relatos de viajantes cristãos dos séculos XIII ao XV sobre as mulheres de outras culturas, especialmente da China, Mongólia e Índia, e traça uma linha que dá significado ao modo como eles as viram e a seus costumes. A autora observa que, embora tenham lançado para as estrangeiras um olhar apenas “enviesado”, sem as pretensões dos letrados de moldá-las aos ditames da cultura ocidental, aqueles homens só puderam vê-las a partir de um mesmo referencial, o da fé cristã, e comparando-as às conterrâneas: “Essas pinceladas [...] dizem certamente menos sobre as mulheres dos outros do que sobre as conhecidas e modelares dos próprios viajantes, [...] dizem mais sobre o que os viajantes projetavam para suas mulheres ou conheciam como próprio delas do que sobre os hábitos, costumes e feições das mulheres de lá”.

A obra analisa o que odiscurso dos homens cristãos revela acerca deles próprios e de sua civilização quando tratou dasmulheres de lugares remotos. A autora pergunta: “Que valores e questões fundamentais convergem para que os viajantes definam suas impressões sobreas terras a oriente e as mulheres de lá?”. Por formarem um conjunto discursivo “privilegiado”, uma narrativa dos valores partilhados e fórmulas bem aceitas no fim da Idade Média, os relatos diriam muito sobre tais indagações. E teriam contribuído inclusive para reafirmar a verdade cristã sobre o ser humano, a qual não se acreditava pontual, mas eterna.
Edição 1
Editora UNESP
ISBN 9788539305919
Páginas 230

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.