Até o último homem

Até o último homem

Até o último homem

  • EditoraBOITEMPO
  • Modelo: 6792878
  • Disponibilidade: Em estoque
  • R$ 53,10

    R$ 59,00
Fruto de uma promissora fornada de jovens intelectuais de esquerda que buscam novas bases teóricas para a crítica social, Até o último homem: visões cariocas da administração armada da vida social , organizado por Pedro Rocha de Oliveira e Felipe Brito, analisa o processo de “legitimação” das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) em um quadro de colapso e dissolução da sociedade perante a ocupação militar das favelas cariocas. O Rio de Janeiro aparece como primeiro sintoma de que o desenvolvimentismo ufanista do Brasil nos anos 1950 e 1960 não poderia ir além do fracasso de sua própria autoimagem: “um país do futuro em ruínas”. Para os autores, a invasão militar das favelas cariocas é emblemática: as UPPs revelam o modus operandi da gestão do desmoronamento da sociedade brasileira pelo exercício de um poder político fundamentado na persuasão por meios bélicos. Em um quadro pautado por megaeventos, valorização imobiliária e formação de milícias, o Rio de Janeiro parece revelar as tendências mais macabras da política nacional. À sombra do mito desenvolvimentista, o Rio de Janeiroa cidade deixou de ser a “velha caixa de ressonância nacional”, em que se jogavam lances decisivos da política do país, para tornar-se um “implacável laboratório de gestão da barbárie”.
Características
Ano de publicação 2013
Autor FELIPE BRITO E PEDRO ROCHA DE OLIVEIRA (ORGS.)
Biografia Fruto de uma promissora fornada de jovens intelectuais de esquerda que buscam novas bases teóricas para a crítica social, Até o último homem: visões cariocas da administração armada da vida social , organizado por Pedro Rocha de Oliveira e Felipe Brito, analisa o processo de “legitimação” das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) em um quadro de colapso e dissolução da sociedade perante a ocupação militar das favelas cariocas. O Rio de Janeiro aparece como primeiro sintoma de que o desenvolvimentismo ufanista do Brasil nos anos 1950 e 1960 não poderia ir além do fracasso de sua própria autoimagem: “um país do futuro em ruínas”. Para os autores, a invasão militar das favelas cariocas é emblemática: as UPPs revelam o modus operandi da gestão do desmoronamento da sociedade brasileira pelo exercício de um poder político fundamentado na persuasão por meios bélicos. Em um quadro pautado por megaeventos, valorização imobiliária e formação de milícias, o Rio de Janeiro parece revelar as tendências mais macabras da política nacional. À sombra do mito desenvolvimentista, o Rio de Janeiroa cidade deixou de ser a “velha caixa de ressonância nacional”, em que se jogavam lances decisivos da política do país, para tornar-se um “implacável laboratório de gestão da barbárie”.
Edição 1
Editora BOITEMPO
ISBN 9788575592878
Páginas 272

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.