Cidade Tiradentes e COHAB: Moradia popular na periferia de São Paulo - projetos e trajetórias 1960-1970

Cidade Tiradentes e COHAB: Moradia popular na periferia de São Paulo - projetos e trajetórias 1960-1970

Cidade Tiradentes e COHAB: Moradia popular na periferia de São Paulo - projetos e trajetórias 1960-1970

  • EditoraALAMEDA
  • Modelo: 9V91859
  • Disponibilidade: Em estoque
  • R$ 40,50

    R$ 54,00
"Isto aqui parece algo como Machu Picchu, uma cidade perdida na selva”. Estas palavras são de Arnaldo Madeira, em 1983, então secretário da Habitação e Desenvolvimento Urbano de São Paulo, em visita ao Conjunto Habitacional Santa Etelvina, localizado na atual Cidade Tiradentes, referindo-se ao isolamento da área e à ausência de infraestrutura de transporte naquela região. Essa carência, entretanto, não se restringia apenas ao transporte, desdobrando- se para a falta de moradias, hospitais, escolas, cultura, lazer, saneamento e segurança.

Situada na extremidade da zona leste paulistana, a Cidade Tiradentes surgiu como fruto de uma intervenção no espaço da cidade, que vinha sendo delineada pelo poder público, juntamente com a Cohab desde meados de 1960 e que tinha por objetivo criar moradias para o setor da população de baixa renda. Tratava-se de uma política oficial de planejamento urbano sistemático, com o objetivo de racionalizar a ocupação dos espaços da cidade, esta que passava novamente por intenso crescimento demográfico devido à forte corrente de migração interna, especialmente a nordestina.

Apoiando-se em suportes teóricos e em fontes, a autora convida o leitor a apreender o sentido dos discursos e iniciativas do Estado durante o regime militar, cuja política interpretava a integração nacional sob o prisma do desenvolvimento econômico e técnico aliado ao capital internacional, estabelecendo uma íntima relação com a necessidade de apoiar o projeto industrial de São Paulo. Esta política não pode ser vista senão acoplada ao forte empenho de exclusão, protagonizado pela elite paulistana. Simone constata que, apesar da limpeza espacial e social da cidade, a população não recebe passivamente as diretrizes oficiais, mas realiza suas próprias experiências, constrói seus modos de existência e reelabora espaços, tudo isso à margem dos objetivos do poder público. São sujeitos ativos, verdadeiros protagonistas que recriam suas próprias vidas.
Características
Ano de publicação 2014
Autor SIMONE LUCENA CORDEIRO
Biografia "Isto aqui parece algo como Machu Picchu, uma cidade perdida na selva”. Estas palavras são de Arnaldo Madeira, em 1983, então secretário da Habitação e Desenvolvimento Urbano de São Paulo, em visita ao Conjunto Habitacional Santa Etelvina, localizado na atual Cidade Tiradentes, referindo-se ao isolamento da área e à ausência de infraestrutura de transporte naquela região. Essa carência, entretanto, não se restringia apenas ao transporte, desdobrando- se para a falta de moradias, hospitais, escolas, cultura, lazer, saneamento e segurança.

Situada na extremidade da zona leste paulistana, a Cidade Tiradentes surgiu como fruto de uma intervenção no espaço da cidade, que vinha sendo delineada pelo poder público, juntamente com a Cohab desde meados de 1960 e que tinha por objetivo criar moradias para o setor da população de baixa renda. Tratava-se de uma política oficial de planejamento urbano sistemático, com o objetivo de racionalizar a ocupação dos espaços da cidade, esta que passava novamente por intenso crescimento demográfico devido à forte corrente de migração interna, especialmente a nordestina.

Apoiando-se em suportes teóricos e em fontes, a autora convida o leitor a apreender o sentido dos discursos e iniciativas do Estado durante o regime militar, cuja política interpretava a integração nacional sob o prisma do desenvolvimento econômico e técnico aliado ao capital internacional, estabelecendo uma íntima relação com a necessidade de apoiar o projeto industrial de São Paulo. Esta política não pode ser vista senão acoplada ao forte empenho de exclusão, protagonizado pela elite paulistana. Simone constata que, apesar da limpeza espacial e social da cidade, a população não recebe passivamente as diretrizes oficiais, mas realiza suas próprias experiências, constrói seus modos de existência e reelabora espaços, tudo isso à margem dos objetivos do poder público. São sujeitos ativos, verdadeiros protagonistas que recriam suas próprias vidas.
Edição 1
Editora ALAMEDA
ISBN 9788579391859
Páginas 224

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.