Era do grande encarceramento, A - tortura e superlotação prisional no Rio de Janeiro

Era do grande encarceramento, A -  tortura e superlotação prisional no Rio de Janeiro

Era do grande encarceramento, A - tortura e superlotação prisional no Rio de Janeiro

  • EditoraEDITORA REVAN
  • Modelo: RV66137
  • Disponibilidade: Em estoque
  • R$ 71,44

    R$ 76,00
Ao longo dos últimos dois séculos, desde sua gênese, a questão penitenciária se apresenta como uma grave problemática global. Na atualidade organismos internacionais, gestores públicos, organizações não governamentais e estudiosos do mundo inteiro apontam a crise da instituição prisional, em uma crescente realidade de superlotação e condições desumanas de aprisionamento.
A invenção da prisão coincide com a ascensão do modo de produção capitalista, substituindo o sistema penal do medievo pelo sistema penal característico da modernidade. A edificação deste empreendimento punitivo será acompanhada de distintos modelos prisionais e teorias fundamentadoras da pena, até alcançar seu atual panorama. O criminólogo Loïc Wacquant, ao refletir sobre o crescimento da prisão a partir das últimas décadas do século XX, com a implementação do modelo econômico neoliberal nos Estados Unidos, afirma que estamos diante do “Grande Encarceramento”.
Essa onda punitiva na atualidade, expressa na hiperinflação da população carcerária, também será verificada em diversos países, sobretudo no Ocidente. No caso brasileiro, o histórico de autoritarismo, presente desde o colonialismo, na escravidão, nas ditaduras e na violência institucional generalizada delineia um sistema prisional peculiar.
Características
Ano de publicação 2018
Autor TAIGUARA LIBANO SOARES E SOUZA
Biografia Ao longo dos últimos dois séculos, desde sua gênese, a questão penitenciária se apresenta como uma grave problemática global. Na atualidade organismos internacionais, gestores públicos, organizações não governamentais e estudiosos do mundo inteiro apontam a crise da instituição prisional, em uma crescente realidade de superlotação e condições desumanas de aprisionamento.
A invenção da prisão coincide com a ascensão do modo de produção capitalista, substituindo o sistema penal do medievo pelo sistema penal característico da modernidade. A edificação deste empreendimento punitivo será acompanhada de distintos modelos prisionais e teorias fundamentadoras da pena, até alcançar seu atual panorama. O criminólogo Loïc Wacquant, ao refletir sobre o crescimento da prisão a partir das últimas décadas do século XX, com a implementação do modelo econômico neoliberal nos Estados Unidos, afirma que estamos diante do “Grande Encarceramento”.
Essa onda punitiva na atualidade, expressa na hiperinflação da população carcerária, também será verificada em diversos países, sobretudo no Ocidente. No caso brasileiro, o histórico de autoritarismo, presente desde o colonialismo, na escravidão, nas ditaduras e na violência institucional generalizada delineia um sistema prisional peculiar.
Editora EDITORA REVAN
ISBN 9788571066137
Páginas 391

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.