Maracatu

Maracatu

Maracatu

  • EditoraPALLAS
  • Modelo: 61-0020
  • Disponibilidade: Em estoque
  • R$ 12,00

    R$ 15,00
Era uma vez um país chamado Brasil. Depois que os portugueses tomaram posse do país, trouxeram da África muitos negros para trabalhar como escravos. Eles trouxeram suas músicas, suas danças, suas línguas, sua religião e muitos outros costumes, que com o passar dos anos, foram se misturarando com os dos índios que aqui moravam e com os dos portugueses. Vários desses costumes viraram partes importantes da cultura do país, mas muita gente não se lembra de que eles foram trazidos pelos escravos. A coleção Lembranças Africanas fala dessa herança. O maracatu é uma festa criada pelos negros escravos bantos, que vieram do Congo. Eles elegiam um casal de líderes — um rei e uma rainha — e encenavam uma visita aos portugueses, com vestimentas luxuosas, dançando e tocando tambores. Aqui, essa festa é contada em versos de Sonia Rosa, e ilustrada ricamente por Rosinha Campos.
Características
Ano de publicação 2006
Autor SONIA ROSA
Biografia Era uma vez um país chamado Brasil. Depois que os portugueses tomaram posse do país, trouxeram da África muitos negros para trabalhar como escravos. Eles trouxeram suas músicas, suas danças, suas línguas, sua religião e muitos outros costumes, que com o passar dos anos, foram se misturarando com os dos índios que aqui moravam e com os dos portugueses. Vários desses costumes viraram partes importantes da cultura do país, mas muita gente não se lembra de que eles foram trazidos pelos escravos. A coleção Lembranças Africanas fala dessa herança. O maracatu é uma festa criada pelos negros escravos bantos, que vieram do Congo. Eles elegiam um casal de líderes — um rei e uma rainha — e encenavam uma visita aos portugueses, com vestimentas luxuosas, dançando e tocando tambores. Aqui, essa festa é contada em versos de Sonia Rosa, e ilustrada ricamente por Rosinha Campos.
Edição 1
Editora PALLAS
ISBN 9788534703680
Páginas 16

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.